domingo, 26 de março de 2017

Vencedores no Brasil do Concurso Cassini Cientista por um Dia - 2016-2017

Categoria: Ensino Fundamental I

Título: "Os lagos titânicos"
Alvo: Os Lagos da lua Titã (alvo 2)
Estudante : Vinícius Silva Dantas 
Idade: 11 anos
Escola: Escola Estadual Querubina Silveira
Cidade: Cerro Corá – RN
Responsável: Ramon Silva Dantas  

Os lagos titânicos
Às vezes fico imaginando como é Titã, umas das 63 luas do planeta incrível planeta Saturno, tão grande, imensa e fria, que tem como uma de suas vizinhas a sonda Cassini. Vista por telescópios ela nos salda com sua cor alaranjada e estando localizada a mais de um bilhão de quilômetros de distância do Sol, longe demais para receber grandes quantidades de calor, não possui água no estado líquido, mas mesmo assim ainda possui lagos, e vários deles!Escondidos abaixo de suas nuvens e fora do alcance dos telescópios existem lagos de metano líquido, que devido ao frio extremo torna-se líquido e acaba realizando o mesmo ciclo que a água realiza na Terra, com chuvas que formam os rios que desaguam direto em seus lagos, formando um ciclo contínuo. É o astro mais distante da Terra a receber em sua superfície um objeto criado pelo homem, uma sonda de mesmo nome de seu descobridor: Huygens!Ela é a segunda maior lua do sistema solar, maior que o planeta Mercúrio e tem possibilidades de conter formas diferentes de vida em seus lagos, como bactérias e microrganismos enormes. No futuro ela poderá ser a nossa nova casa, um novo mundo onde poderemos andar e até mesmo voar. Como o Sol está crescendo e esquentando, mais calor chegará até ela, aumentando a sua temperatura, desta forma a vida poderá surgir, evoluir ou até mesmo sustentar a vida dos seres humanos.Entre todas as suas lagoas, existe uma especial, que representa o Brasil, ela se chama Feia Lacus e possui esse nome em homenagem à Lagoa Feia, localizada no Rio de Janeiro e espero que os estudos realizados pela sonda Cassini sirvam como um importante passo para que os cientistas do futuro  confirmem que a Lagoa Feia titânica seja repleta de vida como a Lagoa Feia terráquea. 

Categoria: Ensino Fundamental II

Título: “Titã: terra, sol, lua e vida
Alvo: Os Lagos da lua Titã (alvo 2)
Estudantes : João Vitor Nadolny e Carolina Bunick Meissner
Idade: 13 anos
Escola: Colégio Vicentino São José
Cidade: Curitiba - PR
Professor: Denilso Geraldo Delfrate  


Titã, Terra, Sol, Lua e Vida
O maior entre os 63 satélites de Saturno, com uma atmosfera densa, e o segundo maior do Sistema Solar, é o satélite natural chamado Titã, cujo nome de acordo com a mitologia representa os gigantes que quiseram escalar o céu para destronar Júpiter. Foi descoberto em 1655 pelo holandês Christiaan Huygens, um cientista nascido em Haia, nos Países Baixos. O astro é recoberto por um grande nevoeiro rico em nitrogênio, o que indica que ele possui uma composição química deveras semelhante à da Terra primitiva, onde tivemos os primeiros indícios de vida.
O motivo da escolha pelo alvo Titã deu-se pelo fato dele possuir uma hidrografia que se assemelha à do planeta em que vivemos. A diferença é que lá, no lugar da água, existem hidrocarbonetos como o metano e o etano. Além desse fato relevante, outras constatações científicas despertam a atenção para uma real possibilidade de vida diferente da que já conhecemos. Aparentemente a superfície de Titã é jovem e ativa, contendo bastante gelo e talvez oceanos e canais de compostos orgânicos líquidos. O clima inclui ventos e chuva, criando uma superfície parecida com a da Terra, com a presença de dunas, rios, lagos e oceanos.
Os outros alvos não motivaram nossa escolha porque apesar da Lua Encélado ser um astro com atividades geológicas incríveis, a tecnologia da sonda Cassini não possibilitaria a descoberta de mais informações, e também a NASA já está desenvolvendo um novo projeto para uma nave espacial, chamada ELF (Encéladus Life Finder) para investigar esse alvo. Sobre o Hexágono do planeta Saturno, a NASA confirmou a constituição do fenômeno, sendo uma substância química chamada amônia, composto por um átomo de azoto e três átomos de hidrogênio. Por mais que isso seja uma novidade na história do Sistema Solar, não há mais o que investigar.
Por outro lado, se for encontrado um novo formato de vida na lua Titã, podemos considerar que será um fenômeno que ocorrerá em condições diferenciadas das que julgamos essenciais para a espécie humana, sendo certamente uma descoberta incrível e revolucionária, reconstruindo todas as ideias sobre o que conhecemos da palavra “vida”. Provavelmente, quando o Sol ampliar 50 vezes o seu tamanho, Titã receberá a mesma quantidade de energia solar que a Terra recebe hoje. É uma incógnita adorável com a possibilidade futura de uma nova existência.

Título: “Férias em Titã”
Alvo: Os Lagos da lua Titã (alvo 2)
Estudantes : Lucas Campista Ricardo
Idade: 15 anos
Escola: Escola Municipal Olavo Alves Saldanha Filho
Cidade: Campos dos Goytacazes - RJ
Professora: Sílvia Helena Ribeiro Neto Pessanha 

Férias em Titã
Enfim ,férias!Essas férias serão inesquecíveis: # Partiu_Titã!
_Alô, Fabi?
_Oi , Lucas!
_Partiu férias?
_Partiu para onde?Essas minhas férias serão as piores de todas.Aqui, as praias estão poluídas, os rios , então!
_Não, menina, esquece isso!A nave Cassini descobriu um satélite top dos tops.
_Que satélite é esse?Estou doida para conhecer.
_Titã é a maior lua que tem em volta de Saturno.
_Que legal!
_Fora a lenda que existe lá, né?
_Lenda?
_Sim, a lenda dos gêmeos áliens gigantes.
_Ui!Deu até medo!Pensando bem, acho que vou passar as minhas férias aqui na Terra mesmo.E quem são esses gêmeos áliens?
_Os gêmeos áliens são dois ets que viviam em planetas diferentes.Um vivia na Terra e o outro vivia na lua Titã de Saturno.Por ironia do destino, eles se separaram.
_Mas por que gigantes?
_Ah, isso foi quando o planeta Terra estava em reforma.O danado do et pisou na obra com aquele seu sapato enorme fazendo um grande buraco na Terra com o formato de seu sapato.Depois veio aquele temporal e encheu aquele lugar que acabou virando uma lagoa.Mas o formato ficou meio feinho, daí colocaram o nome de Lagoa Feia.
_E o que aconteceu com o outro irmão?
_Ah,o outro irmão ficou sabendo e fez o mesmo buraco com o seu pé e colocaram o nome de Lagoa Feia também em homenagem a Lagoa Feia de Campos dos Goytacazes.
_Nossa!!!Me amarrei nessa história.Não vejo a hora de ir para Titã conhecer a Lagoa Feia.#Partiu!

Título: “O mistério de Titã”
Alvo: Os Lagos da lua Titã (alvo 2)
Estudantes : Amanda Ribeiro Alves 
Idade: 18 anos
Escola: Escola Municipal Olavo Alves Saldanha Filho
Cidade: Campos dos Goytacazes - RJ
Professora: Sílvia Helena Ribeiro Neto Pessanha 

O mistério de Titã
A maior lua de Saturno é Titã:
Escura, clara e tão bela.
Escura como a noite
e colorida como a primavera.

Lá há uma lagoa.
É a Lagoa Feia.
Ela tem formato de sapato,
mas poderia ter formato de sereia.

Ela é misteriosa,
clara e escura.
Ela sabe ser serena,
mas também sabe ser bruta.

O seu segredo só irá se revelar
quando um dia eu na sua superfície chegar.
Os meus pés irão pisar
no seu lado escuro
que há de brilhar! 

Categoria: Ensino Médio

Título: “Encélado: Uma jornada em busca da vida.
Alvo: Plumas na Lua Encélado (alvo 1)
Estudante : Amanda Rodrigues de Araújo Silva 
Idade:  15 anos
Escola: Escola Estadual Professor João Cardoso dos Santos
Cidade: Mogi das Cruzes - SP
Professora: Suzamar Gabriel dos Santos  

Encélado: Uma jornada em busca da vida.
Sempre sonhei com as estrelas, com outros mundos, em conhecer os segredos da natureza e do universo, em compreender o sentido da vida. Vivemos justamente em uma época, onde a maior curiosidade da humanidade é saber como a vida surgiu e evoluiu em nosso planeta Terra. Desde os primórdios, essas questões instigam os seres humanos. Ao longo do tempo, muitos cientistas e filósofos, tentaram descrever a origem da vida e do universo, como por exemplo, Charles Darwin, com a Teoria da evolução. Mas até hoje, ainda não obtivemos uma resposta definitiva e correta. Como sabemos, os cientistas não estão em busca apenas da origem da vida em nosso planeta, mas também em outros ambientes do nosso Sistema Solar, e até fora dele.
Em 2 de novembro de 2009, enquanto a Sonda Cassini orbitava o planeta Saturno, suas câmeras capturaram algo incrível vindo de Encélado, uma das luas de Saturno. Algo que mudaria nossa visão sobre tudo e poderia nos fornecer informações importantes nessa jornada em busca da vida, em ambiente diferente do que conhecemos.
Ao direcionar suas câmeras, a Sonda Cassini avistou Geisêres que jorravam água e gelo da superfície de Encélado. Desde então, uma série de estudos e investigações se iniciaram. 
Em minha opinião, Encélado se tornou um alvo muito interessante para a astrobiologia, após essa descoberta. Pois, se ele possui geisêres que jorram água e gelo de sua superfície, evidentemente existe um oceano líquido subterrâneo, uma vez que, seja preciso ter alguma fonte para abastecer esses geisêres. Se existe água no estado líquido, certamente ela está repleta de moléculas orgânicas, que dão origem à vida primitiva. Se conseguíssemos encontrar alguma forma de vida em Encélado, poderíamos não só descobrir como a vida se desenvolve em determinados ambientes, mas também nos ajudaria a compreender como a vida surgiu em nosso planeta, se ela pode ou não ter sido trazida de outros lugares. Enfim, responderíamos muitas questões que perseguem os seres humanos desde a antiguidade.
Por estes muitos motivos, as plumas em Encélado merecem uma atenção especial nesse momento, tenho certeza que ela ainda nos trará inúmeras descobertas. Pensando no que nosso mestre Carl Sagan disse, a química que produz a vida é reproduzida facilmente por todo o Cosmos. Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço. Assim como muitas mentes brilhantes  já se perguntaram, eu me pergunto: 
Será que estamos sozinhos na imensidão desse universo? 
Acho que não...

Título: “Foto de Família
Alvo: Plumas na Lua Encélado (alvo 1)
Estudante Priscilla Caroline Waldera 
Idade: 16 anos
Escola: Colégio Vicentino São José
Cidade: Curitiba-PR
Professor: Denilso Geraldo Delfrate 

Foto de Família
Durante toda a história da humanidade nos preocupamos em entender o mundo a nossa volta, em uma busca persistente sobre o que somos, de onde viemos e até onde poderemos ir. Mas nenhuma dessas perguntas é maior que a grande questão que permeia o fato de estarmos aparentemente sozinhos na imensidão do espaço.
Somos um grão de poeira suspenso em um raio de sol”, como Carl Sagan já disse, e em busca de outros grãos de pó cósmico como nós as diversas missões da NASA foram e estão sendo realizadas. A missão Cassini, assim como as missões Voyager, Pioneer, Viking e o programa Discovery buscam em comum explorar e descobrir astros suscetíveis a vida em sua forma mais simples. Ao explorar a vizinhança de Saturno, a sonda Cassini descobriu uma lua deste planeta com aspectos únicos e curiosos.
Um corpo formado por um imenso oceano salgado semelhante ao da terra, embaixo de uma grossa camada de gelo que envolve totalmente esta lua, chamada Encélado. Sua beleza e aparência curiosas se apresentam por ser um planeta frio, porém possui calor em seu núcleo, sendo que seu polo sul, onde se localizam os mais belos locais, é mais quente do que o da Terra.
Dentre todas as descobertas, nenhuma se compara ao inesperado espetáculo da natureza visto do polo sul, as chamadas “plumas de Encélado”, que expelem partículas de gelo em vapor aos anéis de Saturno por meio de gêiseres. Ao realizar um rasante sobre esta região, em outubro de 2015, a sonda Cassini coletou amostras que indicam não só a presença de partículas de gelo salgadas, mas contém também elementos orgânicos simples, como amônia e dióxido de carbono.
Somente esta descoberta já é um excelente motivo para que uma foto das plumas seja tirada. O fato de existirem fatores propícios a uma vida primitiva em Encélado torna muito mais acessível a nossa compreensão da evolução e da formação do que pode ser nosso “irmão” de vida primitiva na imensidão do cosmos. As plumas constituem um espetáculo físico, químico, e muito possivelmente biológico.
Talvez afinal não estejamos tão sozinhos como um único grão de poeira, talvez exista um outro grão no universo, gelado, distante, mas mais real do que imaginamos, e uma companhia quando se trata de vida, seja ela da forma mais simples possível. Uma fotografia de um membro da família é só o começo.

Título: “A possibilidade de vida
Alvo: Os Lagos da lua Titã (alvo 2)
Estudantes : Rayssa Ellen Rodrigues Cavalcanti dos Santos
Idade: 16  anos
Escola: Colégio Brasil
Cidade: Maceió - AL
Responsável: Rosana Rodrigues Cavalcanti

A possibilidade de vida
Titã é a maior lua de Saturno, com uma atmosfera densa, lagos, rios, cheia de nuvens e corpos líquidos. Essas características criam uma paisagem familiar com a Terra. Surge então a pergunta, se há um astro tão semelhante com o nosso planeta porque não investigar a possibilidade de vida? Os estudiosos afirmam que a possibilidade é baixa por ao invés de haver água, há metano, que ao evaporar forma nuvens e um ar rico em nitrogênio, o que não possibilita a existência de uma vida como a terrestre.

Porém, se nós, terrestres, não queremos viver de nitrogênio, pode haver quem queira. Sempre que pensamos na possibilidade de vida, pensamos em seres que sobrevivem com o uso do oxigênio. Mas, e se houver outra realidade? Nossa membrana celular é formada por fosfolipídios, a membrana dos seres habitantes do astro pode ser composta por nitrogênio.
Não é tão irreal pensarmos que outros seres vivos podem sobreviver realizando reações químicas diferentes das nossas. O problema é que só pensamos em um tipo de vida: o nosso. E não devemos nos restringir a isso. Os cientistas devem pensar no nosso modelo de vida, mas que usaria substâncias diferentes para a sua formação.
Portanto, acredito que as imagens que podem ser capturadas de Titã serão mais importantes, pode haver uma realidade inversa à terrestre, e poderão incentivar estudos mais profundos.  

Agradecemos a participação de todos!!!
Parabéns para todos os participantes!!! 
Uma especial felicitação para os vencedores do Concurso!!!


terça-feira, 8 de novembro de 2016

Concurso Cassini Cientista por um Dia - 2016-17


Cassini - Cientista por um dia -  2016-17 é um concurso de redação criado para dar aos estudantes do mundo inteiro uma oportunidade de experimentarem como é a vida de um cientista na NASA.
A 15ª edição do Concurso  conta com a participação de diversos Países.

Estudantes analisarão três possíveis alvos no planeta Saturno , escolherão um deles para que a nave espacial Cassini, atualmente em órbita no Planeta, obtenha imagens durante um tempo definido reservado para esse projeto educacional.


_________________________________________________________________________

Os alvos, nessa 15a Edição do Concurso para 2016-17, são:

Alvo 1, Plumas na lua Encélado 
Estes gêiseres ativos do gelo estão alimentando um dos anéis de Saturno.




Este mosaico produzido com duas imagens é uma das imagens de maior resolução obtidas pela Cassini durante sua pesquisa da bacia do gêiser que cobre o hemisfério sul da lua Encélado de Saturno.

Alvo 2, Os Lagos da lua Titã
O único mundo, além da Terra, que tem lagos líquidos em sua superfície.



Acima temos um mosaico composto por nove imagens obtidas pela nave Cassini durante o primeiro sobrevoo que realizou muito próximo da lua Titã de Saturno em 26 de outubro de 2004.

Alvo 3, Hexágono de Saturno
O pólo norte de Saturno tem uma forma inesperada.


Imagem do pólo norte de Saturno em cor natural.
_________________________________________________________________________

O alvo escolhido deve ser aquele que, em sua opinião, renderá os melhores resultados científicos. As razões dessa escolha deverão ser explicadas na redação.

A nave Cassini apontará suas câmeras e obterá imagens do alvo determinado por você!

Neste processo, além dos alunos aprenderem a pensar como cientistas defendendo o seu alvo escolhido, como fazem os cientistas da Cassini, eles irão adquirir prática na escrita de Redações.

Prêmios serão oferecidos pela Coordenação do Concurso no Brasil e os vencedores poderão participar (a confirmar) como convidados de uma vídeo-conferência com cientistas fazem com controle da missão Cassini, na NASA.

As inscrições para "Cassini - Cientista Por Um Dia" Estarão abertas até o dia 17 de março de 2017 (o Regulamento está disponível abaixo).

Estaremos recebendo as inscrições no período de 9 de novembro de 2016 a 17 de março de 2017.

Participem!!!

Boa redação à todos!

Em breve mais novidades!!!

Um fraterno abraço,

Organização do Concurso "Cassini - Cientista por um Dia" no Brasil

Equipe do Clube de Astronomia Louis Cruls 

Mais informações sobre o Clube de Astronomia Louis Cruls estão disponíveis no seguinte endereço:
________________________________________________________________________________

Regulamento do Concurso 

"Cassini - Cientista Por Um Dia" - 15a Edição - 2016-17 


Data limite: As inscrições para o concurso, no Brasil, serão aceitas até às 23:59h (horário de Brasília) do dia 17 de março de 2017. 

As inscrições serão preferencialmente realizadas através do e-mail:



- O concurso é aberto a todos os estudantes. Nesse blog estaremos recebendo inscrições de estudantes de escolas do Brasil, do segundo ciclo do ensino fundamental e do ensino médio.
- Estudantes de outros países devem contatar seus Coordenadores Locais.
- Os estudantes podem trabalhar sozinhos ou em equipes compostas de, no máximo, 4 estudantes.
- Todas as redações devem ser originais. Inscrições com material que não seja original (plágio de algum trabalho) serão desqualificadas.
- Cada estudante (ou grupo de estudantes) pode submeter apenas uma redação.
- Não devem ser incluídas informações de contato (e-mail, endereço, etc.) de estudantes menores de 18 anos. Toda a comunicação será realizada entre a Coordenação do Concurso e os professores ou responsáveis.
- As redações devem ter no máximo 500 palavras. Redações com um número maior de palavras serão desqualificadas.
- Os nomes e informações de contato não estão incluídas na contagem das 500 palavras.
- O texto das redações deve ser enviado (sem imagens ou anexos) dentro do próprio corpo do e-mail. O texto enviado como arquivo anexo não será aceito para o concurso.
- A capacidade de comunicação é uma importante parte na vida de um cientista. Assim, além das idéias expressas, também serão avaliadas no texto, a ortografia e a gramática.

- As redações serão divididas em três grupos:


Ensino Fundamental I - 6º e 7º ano 

Ensino Fundamental II - 8º e 9º ano 


Ensino médio 

Importante: A nave Cassini obterá imagens dos três alvos. Haverá um vencedor em cada um dos grupos.


Escreva uma redação, com no máximo 500 palavras, explicando qual dos três alvos você escolheu para a Cassini obter uma imagem, e a razão dessa escolha.

- As redações devem ser escritas em português.

- As redações devem ser enviadas por um(a) professor(a), pai, mãe ou tutor(a) do aluno para o e-mail:


Não esqueça de incluir na redação:

- O nome completo do professor(a), o e-mail e o telefone para contato com o(a) mesmo(a), além do nome e endereço da instituição de ensino. Informações iguais (incluindo o endereço completo) devem ser enviadas, se for outro(a) o(a) responsável pelo estudante.

- O(s) nome(s) e série(s) de todos os estudantes (no máximo 4) que produziram a redação.

- O tema da redação nessa 14a edição do Concurso, para a edição 2016-17 deve ser escolhido entre (o(s) estudante(s) deve(m) selecionar um dos três alvos):


Alvo 1, Plumas na Lua Encélado 
Estes gêiseres ativos do gelo estão alimentando um dos anéis de Saturno;


Alvo 2, Os Lagos da lua Titã
O único mundo, além da Terra, que tem lagos líquidos em sua superfície

Alvo 3, Hexágono de Saturno
O pólo norte de Saturno tem uma forma inesperada.


Prêmios serão oferecidos pela coordenação do concurso no Brasil e os vencedores também podem ser convidados a participar de uma vídeo-conferência com cientistas da missão Cassini
- Haverá um júri para avaliar todos os trabalhos .O júri será composto por especialistas da área. 
- Não serão aceitos recursos em relação a decisão do júri, que será soberana.
- As redações vencedoras (e um número ainda não determinado de outras redações) serão encaminhadas para o JPL/NASA.
- Todos os participantes concordam em ceder o copyright das redações para o JPL/NASA para que trechos ou redações completas sejam publicadas em páginas da NASA na internet, com informações dos nomes dos autores, idades, instituição de ensino, cidade, estado e país.
- Selecionados os vencedores, os professores (ou responsáveis) serão contatados e convidados a fornecerem uma fotografia do(s) estudante(s). Os pais ou responsáveis devem enviar uma autorização escrita para que as fotos dos vencedores sejam postadas no website do concurso.

Boa Sorte!!!

_________________________________________________________________________

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Vencedores no Brasil do Concurso Cassini Cientista por um Dia - 2015

Categoria: Ensino Médio

Título: “Júpiter: A Maravilha do Sistema Solar”
Alvo: Júpiter
Estudante : Pedro Nicholas Peres Paes 
Idade: 16 anos
Escola: CEFA Objetivo
Cidade: Campos dos Goytacazes – RJ
Responsável: Everton Fabio Nunes Paes  


Júpiter: A Maravilha do Sistema Solar
                                                                                                   
   Na minha opinião, as imagens que podem ser capturadas de Júpiter são as mais importantes neste momento, pois elas podem ajudar os engenheiros a construírem ou atualizarem suas ferramentas de busca por exoplanetas . Mas, por que isso é tão importante no momento?  Os estudos dos exoplanetas são alvos muito promissores para o que pode ser a maior descoberta da história humana. Planetas habitáveis ou que possuem vida, a nossa raça tem essas dúvidas desde os primórdios da astronomia.  Será que estamos, como disse Carl Sagan, realmente sozinhos em um grão de poeira numa escuridão profunda e vazia vagando pelo espaço? Acho que está na hora de tirarmos essa pulga de trás da orelha de uma vez por todas.
   Os projetos que buscam planetas desconhecidos vem tendo enorme sucesso, o melhor exemplo que temos hoje é o Telescópio Kepler que constantemente vem descobrindo planetas que possivelmente podem abrigar vida e planetas que são muito parecidos com a nossa própria Terra. Se focarmos nesse objetivo poderíamos construir telescópios totalmente melhorados e atualizados, dentro de pouco tempo descobriríamos planetas que estavam à nossa frente, mas que não podíamos enxergar. Nossos horizontes podem ser ampliados com tudo isso.
   E algo que recentemente entrou na mídia mundial, possa talvez ser solucionado. Nós sabemos que existem evidências fortes de que haja um nono planeta no sistema solar, graças as pesquisas de Konstantin Batygin e Mike Brown e se avançarmos nas nossas tecnologias para detectar  exoplanetas , estaremos também ampliando nossas capacidades de detecção de corpos celestes dentro do sistema solar e com isso poderíamos identificar novos cometas, asteróides, planetas e as luas desses planetas e fazer descobertas incríveis para a ciência .
   Além do mais, estaríamos tirando fotos das luas de Júpiter também, uma vez que sabemos que a lua Europa é uma grande candidata a abrigar vida. Os cientistas acreditam que possa haver um oceano embaixo do gelo da superfície que cobre o planeta. “O que nos leva a pensar o que pode estar nadando por ali?” disse Niel deGrasse Tyson em Cosmos: A Space Time Odyssey.Todas essas questões estão em jogo aqui.
   É muito interessante estudar Saturno e suas luas, sobre a formação de seus anéis a partir de uma lua destruída, sobre o método de medição de distância e outras partes físicas. Mas, por mais estranho que pareça eu dizer que um satélite a um bilhão e meio de quilômetros de distância deveria capturar as imagens de Júpiter, eu ainda afirmo que é o melhor a se fazer. 
   Quando fui ao encontro do Louis Cruls Astronomy Club, o clube de astronomia da minha cidade, Campos dos Goytacazes, no dia 8 de março de 2016, pude ver mais de perto por meio de três telescópios diferentes, a beleza das faixas de Júpiter e suas luas, que estão em uma dança continua a bilhões de anos e que se entrelaçam pelo cosmos, no maior planeta do sistema solar, que estava a apenas 628 milhões de quilômetros do nosso planeta. Foi inesquecível.

Título: “Buscando por Respostas”
Alvo: Júpiter
Estudante: Maria Gisllany Bezerra Silva
Idade: 18 anos
Escola: Escola Estadual 13 de Maio
Cidade: Tangará da Serra - MT
Professoras: Joselaine Oliveira Santos and Silvana Copceski Stoinki


Buscando por respostas

             Quatro pontos luminosos orbitando um astro central, foi o que, em 1610, Galileu Galilei observou ao apontar uma pequena luneta para Júpiter, antes conhecido como estrela errante. Os pontos luminosos se tratavam das principais luas de Júpiter, os desenhos do astrônomo, resultado de suas sucessivas observações, o levou a conclusão de que estes pontos giravam em torno de Júpiter, Galileu não sabia ao certo do que se tratava, mas algo, naquele instante estava certo, as grandes descobertas científicas
         Em um intervalo de apenas 400 anos, a exploração do espaço partiu de uma pequena luneta para as mais complexas máquinas, com poderes inimagináveis. Com o programa Marine, a NASA iniciou o lançamento de outras sondas que mergulhando sistema solar adentro, resultou em uma série de incríveis descobertas. Um dos planetas que carrega inúmeros mistérios intrigando cientistas de todo o mundo é Júpiter que dista aproximadamente 770.106  km do Sol. Em 1979 informações sobre seus discretos anéis foram detalhados pelas sondas Voyager 1 e 2. 
       A matéria que o constitui equivale ao dobro da soma da massa de todos os outros planetas, é extremamente massivo, por isso, possui um forte abraço gravitacional. Este fenômeno definiu seus anéis e mais de 60 satélites naturais. Sua forte magnetosfera contrai níveis altíssimos de radiação. A atmosfera é formada primariamente por Hidrogênio e Hélio, um dos fatores que levou os cientistas a concluírem que Júpiter poderia ter sido uma estrela em formação, sem peso o bastante para resultar uma fusão nuclear, se transformou em planeta. Hoje há evidências da existência de um pequeno núcleo sólido, porém seu caractere predominante é composto principalmente por fluídos levando aos aspectos que o caracteriza: suas notáveis faixas e sua grande mancha vermelha (um furacão ativo há séculos). Descobrir de forma detalhada o que ocasiona os fenômenos climatológicos em Júpiter é o sonho de muitos meteorologistas, ventos
que atingem 600km/h chamam atenção. Como o planeta surgiu é um grande mistério, e desvendá-lo pode levar os cientistas a descobrirem como surgiu os outros planetas e como sua presença influencia a existência de vida na Terra. 
É vida que busca vida, definição perfeita para a incansável luta pela exploração do espaço. Não só o planeta atraí olhares científicos, como também suas luas galileanas em especial Europa, composta por gelo e com indícios de oceanos submersos e locais onde a temperatura contribui para a existência de vida. Para astrônomos em busca de vida extraterrestre, a água é um fator importante, o objetivo dos cientistas é ir ainda além de Júpiter e Europa, e encontrar exoplanetas (Planeta fora do nosso sistema solar) onde suas condições possuam requisitos fundamentais para que obtenha vida. Os cientistas avaliam principalmente: sua estrela com características semelhantes ao Sol, e se encontrar em um local denominado “zona habitável”. Portanto, preparar sondas e conhecer planetas mais próximos é um importante passo para iniciar essa jornada. Para descobrir os segredos do nosso universo, estamos sozinhos? Ao observar suas escalas astronômicas é pouco provável.


Título: Anéis de Saturno e as três Luas.
Alvo: Anéis de Saturno e as três Luas.
Estudante: Nathália de Lima Catanante
Idade: 16 anos
Escola: ATEC - Associação Tangaraense de Ensino e Cultura
Cidade: Tangará da Serra - MT
Professora: Elizabet Lourdes Lorenzon


Anéis de Saturno e as três luas.
 Após vinte anos de elaboração e desenvolvimento, entende-se por Cassini-Huygens como um projeto realizado pela NASA em conjunto da ESA (Agência Espacial Europeia) e ASI (Agência Espacial Italiana), no qual uma sonda não tripulada, em um de julho de 2004, entrou em órbita do curioso planeta de tempestades hexagonais, Saturno, sexto depois do sol e segundo maior do sistema. A fim de analisar seu comportamento e características, bem como estudar suas luas e até asseverar a Teoria da Relatividade.
Sabe-se que o gigante gasoso possui seus mistérios, entre os quais se destacam o fenômeno de enormes tempestades de nuvens brancas que sucederem no polo sul há seis anos e se repetiu ano passado no hemisfério Norte, a sua magnetosfera que interfere medir a duração do tempo no planeta, o vórtice hexagonal no polo norte o qual fora desvendado ano passado, e finalmente seus anéis. Saturno apresenta o mais lindo, complexo, denso e brilhante conjunto de anéis planetários de todo o sistema solar, compostos por gelo, poeira e material rochoso, estão situados dentro dos limites de Roche, que possuem mais de 1,5Km de espessura e apenas três metros de largura. Entretanto, as informações limitam-se no superficial.
Dessa forma, através espectrómetro de mapeamento infravermelho da sonda Cassini seria possível investigar a fundo estes anéis, sua formação, funcionamento, orbita, gravidade, reais cores, sua atmosfera diferenciada e quiçá, desvendar o grande ponto de interrogação, sua origem. Teorias afirmam que tenha se formado desde o surgimento dos planetas, outras que a estrutura veio depois com a desintegração de cometas pela força da maré ou até da colisão de algum cometa com uma lua de Saturno.
Ademais, deve-se também serem averiguados os satélites naturais que orbitam próximo aos anéis, como é o caso de Tétis, Encelado, e Mimas, não apenas em suas características e comportamento em si, mas as relações entre os corpos (no caso anéis e luas), para observar se há uma interferência, um fenômeno ou evento relevante.
Dessarte, pode-se inferir que a sonda ao focar nestes “apêndices” como denominava Galileu na primeira vez que os viu, torna-se fonte de informações, as quais podem ajudar a entender também o funcionamento dos anéis dos outros planetas, como Júpiter, Netuno e Urano. Além disso, também pode ser base para desenvolver novos instrumentos que aperfeiçoem e acelerem as pesquisas. Portanto, Cassini contribuiria em partes a chegar ao total de compreensão, da pequena porcentagem do universo conhecida pelo homem, para posteriormente expandi-la.


Categoria: Ensino Fundamental


Título: Desilusão Amorosa no Espaço
Alvo: Anéis de Saturno e as três Luas.
Estudantes: Ana Carolina Porto da Silva (14 anos), Daniel de Souza Pessanha (14 anos), Francine de Souza (16 anos) and  Jadson  da Silva Rodrigues (13 anos)
Escola: Escola Municipal Olavo Alves Saldanha Filho
Cidade: Campos dos Goytacazes - RJ
Professora: Sílvia Helena Ribeiro Neto Pessanha


Desilusão amorosa no espaço

Sou um mistério científico
para todos que tentam me decifrar.
Possuo gelo em minha órbita
e paredes rochosas a flutuar.

Sou o segundo maior planeta
do sistema solar.
Tenho um lado obscuro
que ninguém ousa se aventurar.

Possuo anéis 
que circulam como carrosséis
que me tornam único.
Afinal,por isso que  me destaco entre os outros astros:
porque sou diferente de muitos.

Cassini não me deixa em paz.
Sempre está a me observar.
Não posso fazer nada
que já vai fofocar.
para uma nação que tenta me desvendar.

Tétis pediu o meu watsapp.
Eu não quis dar...
Foi no face e me chamou no chat:
"Olá, como está?"
Não o respondi, mas fiquei contente
como uma rocha de gelo a refletir
com o sorriso estridente.

Marcamos um encontro,
começamos a nos gostar,
mas depois de um tempo,
você veio me falar que iria me deixar.
Você me deixou. Eu fui para o espaço
encontrei a flor Mimas no meio do nada
que me disse palavras lindas.
Lembrei-me de quando  falava que me amava.
Depois disso, meu coração 
ficou congelante e brilhante.
Ele não pode ser visto e nem tocado...
mas pode ser sentido
do jeito certo e não o errado.

Título: Tétis e Reia
Alvo: Reia e Tétis
Estudantes: Caroline de Souza (13 anos) and Raynara Pauliny da Silva Pacheco  (13 anos) 
Escola: Escola Municipal Olavo Alves Saldanha Filho
Cidade: Campos dos Goytacazes – RJ
Professora: Sílvia Helena Ribeiro Neto Pessanha


Tétis e Reia

    Tétis é um dos satélites de Saturno. Uma lua linda, impressionantemente com gelo e com crateras. Lindo de imaginar! É como se dissesse que estou com a cabeça na lua. Como é bonito de imaginar o cinturão escuro e torres de gelo parecendo diamantes...
     _Ester, acorda!-disse Estevan.
     _Estava no mundo da lua.
    _Ester, meu amor, seu nome deveria ser Estrela, porque toda vez que me lembrasse de você, imaginaria você com minha lua e todas as noites poderia enxergá-la onde quer que eu estivesse.
    Ah, bom lembrar, temos o trabalho de Ciências.Vamos falar de Tétis e Reia.
   _Ok.Vamos pedir a minha mãe para nos contar a história dessas luas.
   Após conversarem, Ester e Estevan foram pedir a mãe de Ester uma explicação:
   _Ouvi a conversa de vocês..._diz Cláudia, a mãe de Ester.
   Ester riu...
  Cláudia afirma:
  _Acho que mais interessante vai ser a história da mitologia grega de Reia...
Na mitologia grega, era uma titânide, filha de Urano e Gaia.Os doze titãs, filhos de Urano e Gaia, eram: Oceano,Céos,Crio Hiperião, Jápeto, Teia, Reia, Têmis, Mnemosine, Febe, Tétis e Cronos.Irmã e esposa de Cronos, gerou nessa ordem, segundo pseudo-Apolodora, Hira( a mais velha), seguida de Deméter e Héstia, seguidas de Hades e Posídon.O próximo a nascer foi Zeus.Reia em Creta, deu uma pedra para Cronos comer no lugar do seu 6º filho.Ela tinha escondido o seu filho na caverna, no Monte Ida, em Creta, aos cuidados dos seus assistentes Curetes permanentemente e secretamente, no lugar do filho, deu a Cronos uma pedra enrolada num pano. Cronos engoliu-a pensando ser seu filho.
  _Nossa, que história, mãe!
 _Então, agora o trabalho é com vocês._disse Cláudia.
 _Só não vamos nos esquecer de falar de Tétis e suas lindas magias naturais.


Título: Entre Luas e Anéis
Alvo: Anéis de Saturno e as três Luas.
Estudantes: Carlos Alexandre Ribeiro Silva (13 anos), John Lennon da Silva Santos (13 anos), Luiz Ricardo de Oliveira Monteiro (13 anos) and Matheus Campista da Silva (13 anos)
Escola: Escola Municipal Olavo Alves Saldanha Filho
Cidade Campos dos Goytacazes - RJ
Professora: Sílvia Helena Ribeiro Neto Pessanha


Entre Luas e Anéis

Saturno e suas luas...
Mas três especiais:
Tétis no topo!
Um reino com rachaduras, criaturas...
Uma parte sombria
recheada de surpresas.

Logo abaixo, acima dos anéis, 
o sexto maior satélite de Saturno:
o rei Encelado, um dos melhores lugares
para poder encontrar vida no universo.
Uma das suas funções
é ajudar os anéis de Saturno.

Embaixo dos anéis, a nobre Mimas
com sua vista privilegiada de Saturno.
Seu apelido de origem é de um filme:"Estrela da morte".
Mimas, um Titã da mitologia grega.

Os três reis e um deus.

Isso é Saturno!